O estabelecimento e desenvolvimento de um sistema interno de garantia da qualidade no ensino superior

1-06-2022

O estabelecimento e desenvolvimento de um sistema interno de garantia da qualidade no ensino superior, em Moçambique, requer o compromisso de todos com a qualidade e valores partilhados, bem como a análise permanente e sistemática dos processos e resultados.

Para atingir a excelência, as instituições de ensino superior têm que investir em equipamento, reforçar a capacidade do uso das tecnologias de informação e comunicação para a gestão de informação e dos processos de avaliação e acreditação, segundo sustentou Jeffy Mukora, especialista-residente na área de avaliação externa da qualidade no Conselho Nacional de Avaliação de Qualidade do Ensino Superior (CNAQ).

Este pronunciamento foi feito, quinta-feira, 26 de Maio, em Maputo, durante a aula inaugural do Instituto Superior de Gestão, Ciências e Tecnologias (ISGCT), uma unidade orgânica da Universidade Politécnica, subordinada ao tema: “A questão da qualidade e promoção da cultura de qualidade no ensino superior ”.

No âmbito da reflexão, com os estudantes da Universidade Politécnica, Jeffy Mukora referiu que a qualidade da educação fornece a cada cidadão, que acede ao ensino superior, as capacidades de que necessita para a auto-realização e a participação activa na promoção do desenvolvimento sustentável do país, como cidadão e profissional competente, preparado para viver com dignidade, numa sociedade democrática, justa e de paz.

 De acordo com o especialista, um requisito básico para o desenvolvimento da cultura de qualidade é a existência, nas instituições de ensino superior, de um sistema de avaliação permanente que forneça informações sobre as demandas dos estudantes e identifique oportunidades de melhoria.

“Uma estratégia de comunicação adequada é considerada um pré-requisito para divulgar estratégias e políticas de qualidade, avaliar resultados e identificar os valores, crenças do pessoal, bem como o envolvimento de toda comunidade académica na tomada de decisões da instituição”, frisou.

Por sua vez, o reitor da Universidade Politécnica, Narciso Matos, indicou que há sensivelmente dez anos que a questão da qualidade do ensino tem estado a preocupar a instituição que dirige: “A maior parte dos cursos da nossa oferta formativa passou por um sistema de avaliação, tendo sido todos aprovados. Nós submetemos voluntariamente os cursos à avaliação”, disse.

Este ano, segundo anunciou Narciso Matos, a universidade concluiu o processo de revisão curricular de todos os cursos, o que vai permitir a correcção gradual das anomalias que tinham sido identificadas pelos próprios docentes e estudantes que passaram pelos referidos cursos.

Narciso Matos frisou ainda a realização periódica de cursos de capacitação para docentes, em exercício, na Universidade, nos quais são ministradas disciplinas como Comunicação Oral e Escrita, Tecnologias de Informação e Comunicação e Metodologia de Pesquisa Científica, para que possam melhorar as suas competências.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on email
Share on print