Mesa de presidiumInstituto Médio Politécnico (IMEP) anuncia a introdução da Reforma do Ensino Técnico-profissional no seu curriculum de formação

 
 

O Instituto Médio Politécnico (IMEP), adstrito à Universidade Politécnica, vai introduzir, a partir do presente ano lectivo, a Reforma do Ensino Técnico-profissional, passando os primeiros anos de formação a funcionar no sistema modular.

Segundo anunciou Ana Paula Rodrigues, directora adjunta pedagógica do IMEP, durante a cerimónia de abertura do ano lectivo 2019, ocorrida na segunda-feira, 11 de Fevereiro, em Maputo, o novo sistema vai implicar, entre outros aspectos, que ao fim de cada ano de formação os formandos recebam os respectivos certificados de habilitações literárias.

 

Trata-se da implementação de uma decisão do Governo, que visa tornar este modelo de ensino, numa plataforma para o desenvolvimento sócio-económico do país.
O sistema modular, conforme sustentou Ana Paula Rodrigues, constitui uma resposta à decisão governamental e obedece aos padrões de competências para responder àquilo que o mercado precisa, isto é, ao fim de cada ano de formação, os formandos passam a receber o respectivo certificado de habilitações.

“Esta decisão significa, igualmente, que alguém pode começar o curso em Maputo, e terminar o mesmo em qualquer outra cidade, pois a reforma torna possível esta modalidade”, explicou a directora adjunta pedagógica do IMEP, acrescentando que no sistema anterior, era necessário que o aluno completasse três anos do respectivo curso para ter o diploma.

Por sua vez, Natália Folgado, directora geral do IMEP e das Escolas Secundárias d´A Politécnica (ESDP), salientou que a introdução desta reforma vai exigir maior rigor, para nortear o trabalho longo desta instituição de ensino técnico-profissional.

“Foi sempre nossa preocupação oferecer um ensino de qualidade, o que pressupõe a selecção rigorosa dos docentes, com qualidade e experiência de padrões elevados”, frisou.

Sobre a introdução da reforma, Natália Folgado disse que a mesma vai impulsionar o desenvolvimento do país com programas de formação que respondem àquilo que o mercado de trabalho realmente necessita.

Importa referir que na ocasião foram distinguidos os alunos, que ficaram no quadro de honra, por terem obtido melhor aproveitamento pedagógico, em 2018.